FARROUPILHA
31° MÁX 21° MÍN
 |  Geral  |  Geral

“Todos esses elementos levavam a crer que era realmente um ritual de magia negra”, declara jornalista

Sílvio Milani acompanha o caso desde setembro de 2017

 | Créditos: Reprodução GES
Clique no canto direito-topo para ampliar.
O jornalista do Jornal NH, Silvio Milani, em entrevista para a rádio Spaço FM, relatou os fatos que vieram a tona no início de janeiro. Conforme o jornalista que acompanha o caso desde setembro de 2017, quando os corpos de duas crianças foram encontrados esquartejados em Gravataí, já não se tratava de um crime comum. “Aqui a região do Vale dos Sinos, Novo Hamburgo, São Leopoldo e adjacências, essa região é prodiga em apresentar situações inusitadas, mais diretamente falando em relação a crimes, temos muitos crimes de repercussão nos últimos anos, mas essa sem dúvida é a mais estarrecedora”, relatou. O jornalista comentou que logo no início, quando encontraram os corpos, já se trabalhava com a hipótese de um crime religioso, que agora está sendo elucidado através de provas. Milani, que trabalha há 17 anos no jornal, comentou que o fato foi encomendado por um ex-suplente de vereador de Novo Hamburgo e o ritual iniciou no interior do município. O desfecho do ritual satânico e de magia negra foi em Gravataí, onde as crianças foram mortas. “Da forma como os corpos foram cortados, o período que era de uma lua crescente, todo esses elementos levavam a crer que era realmente um ritual de magia negra, um ritual satânico”, finalizou.