FARROUPILHA
26° MÁX 18° MÍN
 |  Região  |  Região

“As famílias estão mudando o comportamento. A cremação deixou de ser preconceito e ganha adesão”, destaca Valduino Formolo

Diretor Executivo do Grupo L Formolo comentou sobre o tema no Fim de Expediente

A cremação está se tornando uma tendência e uma solução para o problema da lotação e falta de segurança nos cemitérios tradicionais. Além disso, é isenta de custos futuros como anuidades ou manutenção cemiterial. Corpos já sepultados podem ser cremados desde que obedeçam o tempo mínimo de exumação, conforme legislação de cada cemitério. A cremação na Serra Gaúcha começou em 2002 com cinco cremações mensais e, atualmente, o Crematório São José, do Grupo L Formolo, ultrapassa 60 por mês. O diretor executivo do Grupo L Formolo, Valduino Germano Formolo, comentou sobre o assunto no Fim de Expediente desta quarta-feira, 1º de novembro. “A cremação é uma forma de fazer um sepultamento diferente do tradicional e está tendo uma grande aceitação e está mudando o comportamento das famílias. As famílias estão mudando o comportamento. A cremação deixou de ser preconceito e ganha adesão”, explicou.

Confira no áudio abaixo:

Memorial Crematório São José